APOSENTAR AGORA OU AGUARDAR A REFORMA DA PREVIDÊNCIA?

Dilema que atualmente muitos brasileiros estão vivendo e não é à toa. Com a iminência da aprovação da Reforma da Previdência é natural que muitos questionamentos surjam. Afinal de contas é um direito de todo segurado que sempre contribuiu.

Para chegarmos a uma possível resposta, devemos fazer a reflexão sobre dois pontos iniciais; O primeiro é: será que eu consigo me aposentar antes da reforma? O segundo: em qual modalidade de aposentadoria eu me enquadro?

É importante analisar a resposta quanto ao segundo questionamento, pois muitas pessoas acham que existem somente dois tipos de aposentadorias, a por tempo de contribuição e a por idade, esquecendo que também há a aposentadoria especial, a de conversão dos períodos especiais, a aposentadoria hibrida, a do período rural, a do aluno aprendiz, etc.

Feito os questionamentos anteriores, o passo seguinte é: quanto eu vou receber dessa aposentadoria caso eu tenha esse direito? E ainda, caso haja a aprovação da reforma da previdência, quanto isso irá impactar no valor que eu tenho direito de receber hoje? A resposta dependerá também da análise do CNIS (cadastro nacional de informações sociais) e por isso é de suma importância obter essas informações o mais breve possível.


E porque talvez valha mais a pena aposentar agora antes da aprovação da reforma?

Vamos citar os três principais e mais prejudiciais fatores para quem pretende se aposentar após a possível aprovação da lei.

A primeira delas está relacionada à obrigatoriedade da idade mínima para aposentar, independentemente da modalidade de aposentadoria com exceção a aposentadoria do deficiente.

A segunda é a média contributiva, pois atualmente é levada em consideração a média dos 80% das maiores contribuições do trabalhador. Se a reforma entrar em vigor, a média será 100% de todo o período contributivo;

A terceira está relacionada à proporcionalidade do recebimento do benefício. Levando em consideração 100% da média contributiva, a análise posterior será o tempo de contribuição do segurado.

Exemplificando, hoje, para o trabalhador se aposentar com 100% da média contributiva, isso em relação a aposentadoria por tempo de contribuição, ele terá que atingir a soma da pontuação exigida, homens 96 pontos e mulheres 86 pontos. Caso a reforma seja aprovada, o segurado somente conseguirá se aposentar por idade e para conseguir receber 100% da média contributiva ele terá que trabalhar por mais 40 anos.

Ou seja, por mais que não haja o fator previdenciário dentro dessa reforma, a questão da proporcionalidade de períodos é tão prejudicial quanto, pois além de ter a idade mínima o segurado ainda terá que trabalhar por mais 40 anos e ainda terá o benefício reduzido porque levará em consideração 100% da média das contribuições de todo o período trabalhado e não mais a média dos 80% das maiores contribuições.

Assim, antes de sair correndo e solicitar a sua aposentadoria, analise bem a situação, consulte seu advogado para que ele possa lhe auxiliar nessa decisão, pondere as condições, veja os possíveis valores que terá direito a receber. Fazendo isso e com atenção, certamente você conseguirá se aposentar da forma menos prejudicial possível.

Compartilhe esta informação

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.